Publicidade

Publicidade

Arquivo de novembro, 2006

23/11/2006 - 16:07

Harry Potter para adultos

Compartilhe: Twitter

É assim que o livro Jonathan Strange & Mr. Norrell, de Susanna Clarke, foi apelidado. Confesso que logo que li a respeito, corri para comprá-lo. Com os meus 18 anos de idade, Pottermaníaco assumido, ainda não encontrei relação alguma com o jovem bruxinho. Mas calma, não terminei a leitura (o livro conta com modestas 824 páginas).

A história é bem interessante. A autora demorou 10 anos para concluir a obra, já que fez uma imensa pesquisa sobre a magia inglesa.

A história se passa na Inglaterra, onde existe uma tal “Sociedade dos Magos” que, na verdade, é composta por pessoas que só estudam magia, mas não sabem como colocá-la em prática. Até que aparece Mr. Norrel, um mago, de fato. Ele surpreende todos com um feito mágico, no qual estátuas de pedras começam a falar dentro da igreja de York, o condado do início do livro. Com isso, exige que a Sociedade desapareça. Depois, ele, para provar a todos de Londres que é realmente um ser mágico, traz a futura mulher de um ministro de volta à vida!

O livro estimula a imaginação do leitor, fazendo com que ele entre em um mundo mágico, realmente. Talvez seja esse o ponto que levou à criação do apelido.

Se interessar, leia a sinopse oficial do livro abaixo:

A prática da magia foi considerada extinta da Inglaterra desde os tempos medievais do Rei Corvo. Em 1806, aqueles que se intitulam magos são apenas estudiosos da história da magia. Mas, um dia, dois desses magos teóricos resolvem investigar os motivos do desaparecimento da magia. E assim conhecem Mr. Norrell, um mago recluso que desafia a todos ao mostrar seus poderes. Para provar que a magia ainda existe, Mr. Norrell reúne os magos teóricos na catedral de York e faz com que as estátuas de pedra comecem a falar. Em troca de seu ato, exige a imediata dissolução da Sociedade de Magos. Agora com fama e poder, ele abandona a reclusão e vai para Londres, onde colabora com o governo no combate a Napoleão Bonaparte. Começa então a colocar em prática seu plano secreto de controlar a magia na Inglaterra. Tudo vai bem, até o momento em que seu discípulo, o arrogante e impetuoso Jonathan Strange, resolve se rebelar contra a visão restrita de Norrell sobre o lugar destinado à magia. Strange decide seguir seu próprio rumo como mago e resgatar os poderes do lendário Rei Corvo, mas acaba colocando em risco a si próprio, aos que o cercam e à toda a Inglaterra.

Abraços, até a próxima.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
16/11/2006 - 18:19

Onze horas

Compartilhe: Twitter

Foi o preciso para ler “Onze minutos“, de Paulo Coelho. Claro que não foram horas exatas, mas foi assim, em muito pouco tempo, que conclui a leitura da obra. Sempre me perguntei o porquê de eu nunca ter lido um livro do autor; todos o criticavam graças à falta de pesquisa nos livros e ao fato de ele estar “na hora certa e no lugar certo”. Quando li Onze Minutos fiquei surpreso.

A história é a vida da prostituta Maria, garota ingênua do interior do Rio de Janeiro que recebe uma proposta de trabalho como dançarina no exterior e lá, torna-se prostituta. Maria amadurece precocemente e se distancia cada vez mais dos ideais de felicidade que tinha na adolescência.

O livro não é aconselhado para crianças, já que traz palavras e situações do dia-a-dia nada agradáveis. Mas é tocante, retrata um pouco a sociedade machista em que vivemos e o jeito que os homens enxergam a mulher: um produto.

Sinceramente, depois de ler o livro comecei a ver a sociedade com outros olhos. Apaixonei-me pela literatura de Paulo Coelho e percebi que, com todo o mérito, ele é um dos poucos autores brasileiros reconhecidos mundialmente.

É uma dica, se interessar, leiam.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo