Publicidade

Publicidade
19/09/2009 - 08:45

Guitarrista bom é guitarrista morto

Compartilhe: Twitter

melodia_infernal_vol_01O tema céu, inferno e purgatório em roteiros de filmes, novelas, desenhos e seriados de TV já foi explorado por aí. Nos quadrinhos, o assunto é recorrente, seja em histórias de heróis ou não, mas apesar desse ser o caso de “Melodia Infernal-Volume 1”, a ideia central parece ser fugir da mesmice. As explicações básicas da realidade em que se passa a história são dadas, mas o diferencial aqui é o passatempo das almas que penam como os “principais” nessa história: eles aproveitam seus dias livres para fazer uma banda de heavy metal! Foi isso mesmo que você leu.

Mas esse trio não está contente, pois está incompleto e precisam de um guitarrista solo para voltarem a agitar o limbo em que vivem. Para o azar da banda, ao finalmente encontrar quem procuravam, percebem que o roqueiro escolhido ainda está vivo! E na realidade em que se passa a história, roqueiros são peças raras, já que o som da moda dominou a sociedade. Só que os planos do trio “metal” de completar a banda se mostram além da vontade do mundo dos vivos e dos mortos.

Os traços da HQ são no estilo mangá, mas quem fica a cargo da arte é um chinês, Lu Ming. O desenho ganha mais vida graças ao conhecimento que o autor esbanja na hora de retratar as guitarras clássicas que foram fonte das notas do rock até hoje. O movimento dado aos solos de guitarra e bateria ganham força com os tradicionais exageros do estilo oriental de desenho.

É curioso também reparar nas referências que Lu Ming deixa espalhadas pelos quadrinhos: um personagem do Mortal Kombat aqui, outro da DC Comics ali (no caso, o próprio Cavaleiro das Trevas!) – mas todos devidamente escondidos nas cenas. Na edição brasileira, o quadrinista “escatológico” Marcatti, que também é guitarrista de blues desde 1990, ainda deixa como “extra” uma explicação mais detalhada dos instrumentos que aparecem na HQ. O resto da explicação fica pro volume 2.

“Melodia Infernal Vol. 1” (2009), Lu Ming
Ed. Conrad do Brasil
144 páginas, R$12,90

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

1 comentário para “Guitarrista bom é guitarrista morto”

  1. Paulo Sérgio disse:

    Heavy Metal, p/quem gosta tem mais e que ir p/o Inferno mesmo fazer barulho e perturbar o Diabo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo