Publicidade

Publicidade

05/01/2009 - 16:26

O sucesso e a melação de “Crepúsculo”

Compartilhe: Twitter

Tanto falaram – mas tanto mesmo – sobre esse tal “Crepúsculo” e os vampiros que eu acabei comprando o livro. Eu, que sempre fui meio doido com essas coisas de vampiros, ETs, chupa-cabras e afins e fiquei totalmente viciado pela série de livros do brasileiro André Vianco, que começou com “Os Sete”, quando eu tinha uns 15 anos, demorei para começar com essa aventura romântica. Mas daí o filme saiu, todo mundo encheu o saco e eu fui ler.

O enredo todo mundo já deve conhecer. Bella foi para Forks, uma cidade do interior em Washington, morar com seu pai, o Charlie. Lá, ela conhece alguém surpreendente, Edward Cullen, que, a primeira vista, tem certa aversão à menina. Depois, com o desenrolar da história, você descobre o por que: o menino é um vampiro e Bella é “cheirosa” demais para ele. Comecei o livro com certo preconceito. Tonto que sou, fui esperando ação e aventura desde a primeira página – que, convenhamos, tira pirulito da boca de criança com aquele estilo Dan Brown de se começar um livro. Depois do romance exagerado entre o vampiro e a humana, o livro começa a empolgar na hora da partida de beisebol na floresta, quando começa a caça.

Stephenie Meyer foi esperta ao escrever o livro. Ao juntar a ficção com o amor impossível, conseguiu conquistar muitas pessoas que se derreteram de amor por um Edward secular que galanteia e por Bella, uma humana que deve ter o QI elevado e nível zero de adrenalina em seu corpo.

De tudo, digo que a imagem de Cedrico Diggory, de Harry Potter, nunca irá sair de minha cabeça ao vê-lo interpretar Edward no cinema. Para quem gosta de romances, vale a leitura.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , ,
08/12/2008 - 11:18

Lua Nova: muito mais do que uma simples continuação

Compartilhe: Twitter

Sempre tive uma imagem um tanto quanto deturpada de livros que têm continuações. Eu pensava que, para um livro ser bom de verdade, o autor devia conseguir sintetizar uma história legal num só volume. Mas comprei “Lua Nova”, da americana Stephenie Meyer, e mudei fácil de idéia.

“Lua Nova” é a continuação de “Crepúsculo”, livro fenômeno entre jovens de todo o mundo. Só o primeiro da saga já vendeu cerca de 6 milhões de cópias. A série inteira, que inclui também “Eclipse” e “Breaking Dawn” contabiliza mais de 17 milhões de exemplares vendidos. O sucesso no Brasil é indiscutível. A maior comunidade dos livros no Orkut tem quase 40 mil membros.

Diferente de “Crepúsculo”, que é puro romance, o livro “Lua Nova” coloca pitadas de suspense e ação por toda sua trama. Não são mais 300 páginas de como Bella descobriu que o garoto por quem apaixonou era um “sanguessuga” ou de como Edward protege sua amada até a morte.

Logo nos primeiros capítulos da obra, o casal queridinho do público é separado. Quando o irmão de Edward quase ataca Bella durante sua festa de aniversário, o vampiro apaixonado toma uma decisão: não expor mais o amor de sua vida ao perigo. Ele então inventa uma desculpa para nunca mais ver Bella e vai embora.

Bella passa meses triste e magoada, até que decide voltar a ser uma garota normal, que sai com os amigos e se diverte. Mas não é assim tão fácil. Para se aliviar das dores de um coração partido, a garota conta com a ajuda do amigo Jacob, que também se revela um menino “anormal” durante esse segundo livro. É… Jacob é um lobisomem.

A continuação de “Lua Nova” é o livro “Eclipse” e já tem data para ser lançada em português: 15 de janeiro de 2009. Até lá, a gente se contenta em reler “Crepúsculo” e “Lua Nova” e assistir ao filme, que sai no próximo dia 19 de dezembro.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , ,
Voltar ao topo